Informações sobre Maluf já estão com procuradores

A maior parte das grandes instituições financeiras brasileiras já entregou para a Procuradoria da República, em São Paulo, as informações bancárias referentes à quebra do sigilo do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB) e dos familiares dele, informou hoje a procuradora Denise Abade.As informações bancárias são sigilosas e têm sido analisadas por Denise e pelo procurador Pedro Barbosa Pereira Neto. "Ainda faltam dados de muitas instituições financeiras, mas acredito que o principal já está em nossas mãos", avaliou Denise.A quebra de sigilo de Maluf e de seus familiares foi decretada a pedido da Procuradoria da República, pelo juiz Fernando Moreira Gonçalves, da 8ª Vara Criminal Federal, em 15 de setembro. Maluf recorreu, mas a decisão foi mantida pelo juiz federal Erik Gramstrup, do Tribunal Federal em São Paulo.A Procuradoria da República conduz duas investigações paralelas sobre Maluf. Na primeira, ele é suspeito de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e sonegação fiscal. Na segunda investigação, Maluf é acusado de manter supostos depósitos, que girariam entre US$ 200 milhões e US$ 300 milhões, em bancos suíços e no paraíso fiscal da Ilha de Jersey, no Canal da Mancha.A segunda investigação foi iniciada pelo Ministério Público Estadual (MPE). Em outubro, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que, por envolver o crime federal de lavagem de dinheiro, a investigação deveria ser conduzida pelo Ministério Público Federal. Na sexta-feira, as investigações feitas pelo MPE chegaram à Procuradoria. "Ainda não tivemos tempo de analisar o processo", afirmou Pereira Neto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.