Infográfico: Quem é quem nos conselhos das empresas estatais paulistas

Conselhos de estatais engordam salário de aliados do Palácio dos Bandeirantes

Daniel Bramatti e Julia Duailibi, de O Estado de S. Paulo

21 de março de 2011 | 11h28

A reportagem "Conselhos de estatais engordam salário de aliados do Palácio dos Bandeirantes", publicada pelo Estado no dia 14 de março (leia aqui), mostrou que o governo paulista tem usado os cargos a quem tem direito nos conselhos de administração de empresas do Estado para abrigar filiados do PSDB e quadros ligados ao partido.

 

especialVeja o infográfico

 

O mapeamento de quase 140 cargos revelou que, em cerca de 50% deles, havia relação entre o ocupante e o PSDB ou o governo. Com base nesses dados, Carlos Lemos, Daniel Lima e Gabriela Allegro, da editoria de Arte e Infografia do estadão.com.br, produziram um infográfico que mostra quem é quem nos conselhos das estatais e que revela quais conselheiros estão em mais de uma empresa.

 

Os conselheiros recebem remuneração pela participação em reuniões - em geral, uma por mês. Os pagamentos mensais estão entre R$ 3.500 a R$ 4.500 - fora o 13º salário e os bônus, pagos em alguns casos. Em 2010, o total de pagamentos se aproximou de R$ 9,5 milhões (leia aqui).

 

O governo paulista nega que os cargos sirvam para complementar salários de assessores. Nega ainda que as nomeações sejam feitas com base em critérios políticos (leia aqui)

 

Os honorários pagos com recursos das empresas ou do erário estadual servem como complemento salarial para secretários, assessores e colaboradores do Palácio dos Bandeirantes.

 

A lista de conselheiros das estatais paulistas revela ainda que, em diversos casos, não há nenhuma relação entre a formação profissional dos contemplados e a área de atuação das empresas. Há um cineasta no conselho da Dersa (estatal do setor rodoviário), uma ex-diretora de orquestra na Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) e uma psicóloga e ex-diretora da Febem no Porto de São Sebastião. Há ainda jornalistas do Palácio dos Bandeirantes participando de reuniões técnicas de empresas de energia e de planejamento metropolitano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.