Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Inflação preocupa 56,1% das pessoas, mostra pesquisa

A inflação continua sendo um elemento de preocupação de boa parte da população brasileira, segundo a pesquisa realizada pelo Instituto Sensus para a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), divulgada hoje. Dos 2000 entrevistados, 56,1% dos entrevistados disseram que os preços subiram no ano passado e que a inflação continuou. Para 36% desses entrevistados, entretanto, houve um aumento de preços em 2003, mas a inflação foi controlada. A pesquisa, realizada entre os dias 4 e 6 de fevereiro, em 195 municípios do País, identificou que 67,7% das pessoas ouvidas avaliaram que houve um aumento de preços generalizado no início de 2004. Para essas pessoas, alimentos, impostos e tarifas foram os preços que mais subiram até agora.Crença e resignaçãoA mudança de vida esperada pela população com a eleição de Lula. De acordo com pesquisa, 27,1% dos entrevistados acreditam que o presidente precisará de um outro mandato para que seu governo possa mudar a vida dos brasileiros. Em janeiro de 2003, quando o Sensus fez a primeira avaliação do governo Lula, apenas 10,6% dos entrevistados acreditavam que as mudanças só viriam com um segundo mandato. "Isso é uma mistura de crença e resignação. As pessoas estão vendo que a coisa é difícil e precisam dar mais tempo para o presidente", ponderou o presidente da CNT, Clésio Andrade. O número de descrentes com mudanças por meio do governo também aumentou neste período. Em janeiro de 2003, 2,3% afirmaram que o governo Lula não iria mudar suas vidas. Agora, esse universo passou para 18,5%. O tempo médio de expectativa em relação às mudanças na vida saltou de 1,8 ano para 3 anos, neste período de um ano.A geração de empregos continua sendo apontada pela população brasileira como a área em que o governo deveria dar mais atenção na valiação dos entrevistados. Das pessoas ouvidas, 53,3% afirmam que ela deve exige urgência máxima pelo governo. O combate à fome (18%) e à violência (10,5%) aparecem na sequência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.