Inflação controlada permitirá que o País cresça, afirma Dilma

Segundo ela, os aspectos macroeconômicos precisam privilegiar o crescimento e a expansão da taxa de investimento

Renata Veríssimo / BRASÍLIA, Agência Estado

11 de maio de 2011 | 12h45

A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira, 11, que é preciso que o País continue crescendo e mantenha a inflação sob controle. "É preciso que o País faça a consolidação fiscal e controle a inflação. A inflação controlada, no médio e longo prazo permitirá que o País cresça", destacou, durante o discurso de instalação da Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade, no Palácio do Planalto. Segundo ela, os aspectos macroeconômicos precisam privilegiar o crescimento e a expansão da taxa de investimento.

 

Dilma disse que o Brasil precisa encontrar o seu modelo de gestão para o crescimento sustentável e o desenvolvimento econômico. Segundo ela, a criação da Câmara ocorre em um dos momentos fundamentais de definição do seu governo. Segundo ela, o País entrou em uma trilha de desenvolvimento, com inclusão social e de crescimento econômico com estabilidade monetária e fiscal.

 

Segundo Dilma, nenhum País será rico de fato sem enfrentar a miséria, mas também não houve desenvolvimento econômico nos países que não enfrentaram o desafio de transformar o Estado adequado ao crescimento e ao desenvolvimento.

 

Dilma citou movimentos históricos ocorridos na Inglaterra, Estados Unidos, Alemanha e Japão e mais recentemente na China, buscando as precondições para dar um salto no crescimento sustentável. Segundo a presidente, muito já foi feito no Brasil, mas é preciso ir além.

 

Segundo ela, é preciso ter um Estado meritocrático, que a relação público e privado não seja oposta, não tenha conflitos e que Estado, empresas, trabalhadores e sociedade precisam ter clareza nos seus objetivos.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseffeconomiainflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.