Inexiste conflito de interesses em consultorias, dizem ministros

Cinco titulares de pastas com sociedade em empresas negam atuação paralela ao exercício do cargo

Leandro Colon, de O Estado de S. Paulo

17 de maio de 2011 | 23h59

BRASÍLIA - Os ministros mencionados na reportagem confirmam ao Estado a sociedade em empresas de consultoria, mas negam conflitos de interesse ou atuação paralela ao exercício do cargo.

 

O ministro Fernando Pimentel informou que saiu em dezembro da administração da P-21 Consultoria, da qual continua com 99% da sociedade.

 

Segundo o petista, a empresa "permanece ativa por decisão dos sócios, mas não presta serviço a nenhum cliente desde novembro de 2010". "Por questões contratuais, os nomes dos clientes não podem ser revelados", disse. "A existência da empresa e sua composição societária foi devidamente informada à Comissão de Ética Pública", informou Pimentel. A sociedade também consta na declaração de Pimentel à Justiça Eleitoral em 2010, quando foi candidato ao Senado.

 

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que abriu a empresa na década de 90 para dar "aulas, palestras e seminários". "Nunca prestei consultoria", afirmou. Ele disse concordar que uma empresa aberta para atividades de "consultoria" abre muitas possibilidades. "Se o Comitê de Ética orientar para alterar o objeto social, vou modificar sem problemas", afirmou.

 

Já o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, informou que a Manoa Empreendimentos e Serviços foi aberta em 1999 e hoje mantém investimentos na Excelsus Participações S.A, que atua no ramo hoteleiro. Sua assessoria informou que a empresa não possui clientes privados ou públicos e "permanece aberta por se tratar de uma empresa ativa".

 

O ministro Moreira Franco disse que abriu a Aptus Consultoria em 1999, mas que a empresa não chegou a ter clientes. Ele afirmou que, em 2007, deu baixa no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mas que ainda não fechou a empresa por questões burocráticas. No banco de dados da Receita, ainda aparece como "ativa". "Sei lá porque nunca conclui isso. Mas já dei procuração há 15 dias para ser fechada."

 

A assessoria do ministro Leônidas Cristino informou que a Ejos Construções e Consultoria está aberta, mas não funciona desde 2003.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.