Índios xavantes ameaçam ocupar terra no MT

Os índios xavantes ameaçam ocupar, na próxima quarta-feira, uma terra no Mato Grosso, homologada como terra indígena em 1998. Expulsos do local há quase 40 anos, os xavantes estão dispostos a retornar à região e enfrentar fazendeiros e posseiros, protegidos por liminares judiciais. A tribo está armada com flechas e bordunas. Em entrevista à Agência Brasil, o irmão do cacique Damião, Jonas Marãiwatsede, disse que a tribo já não acredita em uma ação do governo federal ou da Justiça. "Não podemos esperar que eles (os fazendeiros) destruam o cerrado inteiro para depois entrar lá", defende Jonas, 47 anos. "Todo mundo já sabe que aquela terra é dos xavantes. Eu nasci lá, eu sou proprietário. Os lutadores podem morrer. Mas os netos e filhos vão viver lá." Acampados há 11 meses na rodovia BR-158, os Marãiwatsede enfrentam condições precárias de sobrevivência. No próximo dia 17, uma comitiva da ONU visita o local onde, nas últimas duas semanas, três crianças morreram e outras 14 foram internadas com desnutrição e pneumonia. No grupo de quase 500 pessoas, estão cerca de 120 crianças. De acordo com o administrado da Fundação Nacional do Índio (Funai), Edson Beiriz, os xavantes estão vivendo em condições precárias, alimentando-se com cestas básicas doadas pela instituição e utilizando água sem tratamento de um córrego. "A possibilidade de conflito é iminente", alerta. Jonas Marãiwatsede lembra que após a expulsão na década de 60 os Marãiwatsede tentaram viver e se adaptar em outras tribos xavantes. "Mas tinha muita briga. Eles (os outros xavantes) sempre dizem que a gente não tem terra. Somos como estrangeiros", conta Jonas. Segundo ele, a tribo sonha e tem planos para a terra de 165 mil hectares, situada na região do município Alto Boa Vista (MT). "A terra vai ser dividida em seis aldeias. A roça será de toco (sem utilização de máquinas). Vamos plantar feijão, mandioca e amendoim", diz. As informações são da Agência Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.