Índios ocupam prédio da Chesf em Salvador

Grupo,cobra da empresa indenizações para famílias que tiveram terras inundadas pelas águas do São Francisco

Tiago Décimo, de O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2008 | 20h16

Desde a noite de domingo, 55 índios tuxás ocupam o prédio da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) em Salvador (BA). O grupo, que vive no município de Rodelas (BA), 547 quilômetros a noroeste de Salvador, na margem do rio, divisa com Pernambuco, cobra da empresa indenizações para membros de 90 famílias que tiveram suas terras inundadas pelas águas do São Francisco quando da construção da Represa de Itaparica, em 1988. De acordo com os índios, os integrantes da aldeia teriam direito a entre 1,5 e 3 hectares de terras na região, cada, como ressarcimento. Os funcionários da Chesf foram impedidos de trabalhar. A diretoria informou, por meio de nota, que a reivindicação dos indígenas é improcedente e que está negociando com a liderança do grupo para que a ocupação seja concluída.  De acordo com a direção da Chesf, os acordos firmados com 247 famílias de índios tuxás, tanto à época quanto há quatro anos, quando foi assinado um termo de ajustamento de conduta entre a empresa e o Ministério Público, estão sendo cumpridos nos prazos. O que os índios estão reivindicando seria, na verdade, um novo benefício, para famílias formadas após a construção da represa.

Tudo o que sabemos sobre:
índiosChesf

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.