Índios mantêm como reféns duas funcionárias da Funasa

Os 200 índios guajajaras que estão negociando com representantes da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Alto Alegre do Pindaré, distante 300 quilômetros de São Luís, fizeram novos reféns e voltaram a ameaçar a ocupar a Estrada de Ferro Carajás (EFC) ainda neste final de semana. Duas funcionárias da Funasa foram seqüestradas nesta sexta-feira, segundo fontes. Os indígenas afirmaram que manter funcionários reféns tem o objetivo de pressionar os negociadores a aceitar a pauta de reivindicações na totalidade. A Funasa ainda não confirmou oficialmente o seqüestro, porém já admitiu que perdeu o contato com as duas funcionárias pela manhã.A crise desencadeada esta semana pelas ocupações feitas pelos guajajaras, levou a direção da Funasa a estudar a exoneração do superintendente do órgão no estado, Zenildo de Oliveira dos Santos. Segundo apurou a reportagem, a portaria com a exoneração de Zenildo, que foi indicado pelo deputado federal Sarney Filho (PV-MA), já está assinada e será publicada no Diário Oficial da União assim que a Casa Civil aprovar o nome do substituto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.