Índios mantêm 14 invasores de terras reféns em Altamira

Cerca de 40 índios curuaia, de Altamira, no sudoeste do Pará, aprisionaram e mantém refém um grupo de 14 pessoas acusadas de transportar em três barcos bebidas alcoólicas, armas, drogas, comida e combustível para o Garimpo daMadalena, localizado em suas terras.O cacique Joaquim Curuaia manteve contato no final da tarde desta segunda-feira com a direção da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Altamira, informando que os índios estãorevoltados com a invasão dos garimpeiros em suas terras e também com a proliferação de bebidas alcoólicas, drogas e armas no garimpo."Nossos irmãos estão ameçados de morte pelos garimpeiros, que, quando bebem, apontam as armas para os índios", disse o cacique. Ele anunciou que os reféns só serão libertados depois que a Polícia Federal e a Procuradoria da República sedeslocarem para a área e negociarem com os índios.Joaquim Curuaia prometeu que todos os barcos que passarem pelo rio que corta a reserva serão detidos e seus ocupantes aprisionados. Temendo um confronto entre os índios e os garimpeiros, o procurador da República em Belém, Felício Pontes Júnior, pediu ao superintendente da Polícia Federal no Pará, Geraldo Araújo, o deslocamento de uma equipe de policiais para a área do conflito.Araújo informou ao procurador que a PF não poderá ir para a região por "falta de recursos". "O coordenador da Funai em Altamira, Benigno Pessoa, diante da resposta de Araújo, pediu à presidência do órgão em Brasília a liberação de recursos necessários para que seja montada uma operação cujo primeiro objetivo seria libertar os reféns.Suruís bloqueiam estradaNo sul do Pará, cerca de 100 índios da tribo suruí bloqueiam desde a manhã desta segunda-feira a rodovia BR-153, que liga o Pará ao Estado do Tocantins. O protesto é contra o governo paraense, que teria deixado de cumprir uma promessa de construção de 42 casas populares, uma escola na aldeia e um túnel na estrada.As benfeitorias seriam uma forma de indenização pelos índios deixarem passar aestrada em suas terras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.