Índios invadem Funasa e cobram assistência médica

Sem assistência médica há sete meses em suas oito aldeias, 50 índios tembés do Alto Rio Guamá, no nordeste do Pará, invadiram e ocupam desde terça-feira a sede da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) na capital paraense. Eles prometem permanecer no local até que a direção do órgão repasse R$ 400 mil para pagamento de médicos, enfermeiros e agentes de saúde que desde agosto do ano passado não recebem seus salários. O procurador da República em Belém, Alexandre Soares, esteve com os índios, pedindo que retornassem às aldeias, enquanto a liberação do dinheiro seria providenciada, mas sua proposta foi recusada. No começo da tarde de ontem, um representante da direção da Funasa em Brasília, Francisco Nascimento, desembarcou em Belém para debater o problema com os índios e apresentar solução. A Funasa alega que o dinheiro ainda não foi liberado por causa de "entraves burocráticos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.