Índios invadem fazenda e exigem ampliação de reserva

Pintados para a guerra e portando armas primitivas, mais de mil índios da nação kaiowás-guarani, invadiram a fazenda Acrolac, no município de Iguatemi, extremo sul de Mato Grosso do Sul, na divisa com o Paraguai. Eles querem a ampliação da aldeia Porto Lindo, que atualmente é de 1.600 hectares, para 9.470 hectares, incluindo a gleba Yvy-Catu, que, apesar da denominação indígena, pertence a fazendeiros brancos. A invasão começou no final da tarde de segunda-feira e terminou hoje, quando os índios decidiram impedir a entrada ou saída de qualquer pessoa do local.O administrador regional da Funai, Willian Rodrigues, e o chefe de patrimônio indígena órgão, Cleomar Vaz Machado, passaram o dia negociando, mas não tiveram sucesso. O protesto dos índios começou na quinta-feira da semana passada quando interditaram a MS-299, no trecho entre as cidades de Japorã e Iguatemi, durante dois dias.Segundo a Funai, o processo de demarcação das terras está em fase de conclusão, mas não tem data para terminar. O advogado Osmar Silva, que representa o proprietário da Agrolac, Pedro Fernandes Souza, pediu reintegração de posse na Justiça Federal. Os quatro caciques que comandam o movimento afirmam que não deixarão o imóvel pacificamente, pois dizem que não ocorreu uma invasão, mas a retomada definitiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.