Índios invadem área da Vale do Rio Doce em Carajás, no Pará

A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) informou nesta quarta-feira, em comunicado, que na terça-feira cerca de 150 índios Xikrin, da Terra Indígena Catete, invadiram o Núcleo Urbano de Carajás (PA), região onde se encontra uma das principais minas de minério de ferro da empresa.A invasão foi classificada pela Vale como "violenta". "Não sabemos o motivo da invasão. Informações não oficiais dão conta de que a intenção é pressionar a Companhia Vale do Rio Doce para aumentar os recursos financeiros destinados à comunidade indígena", esclareceu a empresa, em comunicado.A mineradora informou que contribui com cerca de R$ 9 milhões anuais, cumprindo acordo celebrado com a comunidade Xikrin, em junho deste ano. "A CVRD não compactua com tais métodos ilegais e não cederá a chantagens de qualquer espécie - reiteradamente usadas pela comunidade Xikrin; a CVRD utilizará de todos os meios legais para defender os seus direitos - especialmente, a integridade de seus empregados e o patrimônio da empresa", informou a empresa.A Vale considerou ainda que, caso ocorra uma eventual ameaça às instalações da empresa, com interferência no desenvolvimento regular de suas atividades, a empresa tomará "todas as medidas judiciais pertinentes, inclusive de ordem criminal"."A invasão poderá gerar, ainda, o cancelamento do convênio mantido com a comunidade; a CVRD reafirma seu compromisso de apoio permanente a comunidades de áreas onde atua, e reage com surpresa a mais essa violência por parte da comunidade Xikrin", encerrou a empresa, em comunicado.Produção InterrompidaA CVRD informou que a invasão causou interrupção da produção de minério de ferro de Carajás. Segundo a empresa, a unidade de filtragem e de moagem da Vale na região também foi paralisada.Segundo informações da empresa, por dia, são produzidas 15 mil toneladas de minério de ferro em Carajás. De Carajás, são embarcados de 12 a 13 trens por dia, com capacidade para 21 mil toneladas cada trem. Esta matéria foi alterada às 10h16 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.