Índios e pescadores podem entrar em conflito no rio Xingu

Cerca de cem índios e pescadores fortemente armados podem entrar em conflito a qualquer momento nas margens do rio Xingu, na área indígena Megranoti, em Mato Grosso. Na manhã desta sexta-feira já houve troca de tiros e a Polícia Federal está enviando um grande contigente para o local.Agentes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), também foram recebidos a bala quando tentavam conversar com os pecadores, todos de Minas Gerais.Segundo o cacique Megaron, chefe do escritório da Funai em Colíder, próximo ao Parque Nacional do Xingú, os pescadores entraram na reserva de forma ilegal, onde a pesca também é proibida. "Um grupo de índios foi fazer a fiscalização da área, quando encontraram os pescadores. Tentaram conversar com eles, mas foram reprimidos a bala", contou Megaron, que enviou outros índios em barcos para a região na tentativa de expulsar os pecadores. "Novamente, os índios foram recebidos com tiros que perfuraram os barcos." Conforme o cacique, pelo menos 50 pescadores estão na margem direita do Rio Xingú, enquanto um grupo de 50 índios se encontra na outra margem, agora armados de bordunas, flechas e armas de fogo. "Mas a superioridade dos brancos é maior, já que possuem carabinas, revólveres e até espingardas calibre 12", contou Megaron. Segundo ele, fiscais da Funai e do Ibama estiveram no local, levados por um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), mas também foram rechaçados. A Polícia Federal está enviando um contigente para a região para tentar evitar um confronto que, segundo Megaron, está prestes a acontecer. "Se demorar a chegada da polícia, com certeza vai haver este conflito. É tudo questão de tempo", afirmou o cacique.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.