Índios da Raposa dizem que vão recorrer a cortes internacionais

A 15 dias do julgamento no STF, indíos da reserva em RR se dizem ameaçados pelos agricultores na região

Agência Brasil,

12 de agosto de 2008 | 21h06

A 15 dias do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) de ações que contestam a demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol em área contínua, índios de Roraima disseram nesta terça-feira, 12, que são constantemente ameaçados pelos agricultores brancos que permanecem na área de 1,7 milhão de hectares e prometeram recorrer a tribunais internacionais caso a decisão do STF não lhes agrade.  Veja também:STF retrocede se decidir por mudar Raposa, diz procuradora  "Nós estamos preocupados pelo invasor que lá se encontra, pois continuam as ameaças, dizendo que vão levar 300 pistoleiros e não vão sair barato de lá. Queremos que as pessoas saiam pacificamente e que a gente fique com a nossa terra", afirmou o coordenador geral do Conselho Indígena de Roraima (CIR), Dionito José de Souza, que acompanhou audiência pública provida pela Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados sobre o tema.  "Vamos buscar os nossos direitos onde eles estiverem e colocar para o mundo inteiro saber que existem ali povos indígenas e cidadãos brasileiros", acrescentou o líder indígena.  A posição defendida pelos índios foi amparada durante a audiência por declarações da procuradora da República Déborah Duprat. Ela ressaltou que se o STF mudar o tamanho da área demarcada da Terra Indígena Raposa Serra do Sol (RR) cometerá um ato passível de denúncia em cortes internacionais de direitos humanos. Outro coordenador do CIR, o macuxi Dejacir de Souza, disse que de 1981 a 2008 os índios de Raposa Serra do Sol foram vítimas de 21 homicídios e 86 ameaças de morte provocadas pela disputa por terras.  

Tudo o que sabemos sobre:
Raposa Serra do Sol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.