Índios cortam cabos e deixam parte do Pará sem telefone

Os índios Guajajara, da aldeia Areião, no município de Santa Inês, a 300 quilômetros de São Luís, ameaçam novamente cortar os cabos de fibra ótica que passam por suas terras se a Embratel não pagar uma indenização que eles vêm cobrando a mais de cinco anos. O primeiro aviso foi dado terça-feira, quando os índios tiraram do ar o sistema de transmissão de voz e dados da Embratel, deixando milhares de paraenses sem telefone e internet.A Embratel informou que o problema, além da internet e telefonia de longa distância também atingiu os usuários de celulares da operadora Tim, que usa o sistema de transmissão da Embratel nos Estados do Pará, Maranhão, Amapá, Amazonas e Roraima.O chefe do posto da Fundai na aldeia Areião, Edivan Cardoso Farias, informou que os índios passaram os últimos dois dias cavando a área onde estão enterrados os cabos de fibra óptica da operadora. Os serviços voltaram à normalidade depois que os caciques permitiram a entrada dos técnicos e receber a promessa da Embratel de que irão receber a indenização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.