André Dusek/AE
André Dusek/AE

Índios comemoram vitória no STF; arrozeiro quer saída em maio

Dez ministros votaram pela demarcação contínua e saída imediata dos produtores que vivem na reserva indígena

Loide Gomes, de O Estado de S. Paulo,

19 de março de 2009 | 18h59

A retirada de não-índios da terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, deverá ser pacífica. Com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que por dez votos a um manteve a demarcação contínua da área de 1,7 milhão de hectares, os índios prometeram que vão aguardar a retirada antes de ocupar as fazendas. "Vamos chamar todo mundo para conversar e aguardar o cumprimento da decisão", disse o coordenador do Conselho Indígena de Roraima (CIR), Dionito José de Sousa.

 

Veja Também:

video Assista aos votos dos ministros

especialVeja quais são as 19 condições do STF à Raposa Serra do Sol

mais imagens Galeria de fotos da sessão no STF

blog Blog: Veja os melhores momentos do julgamento

forumVocê é contra ou a favor da demarcação contínua?

especialA disputa pela Raposa Serra do Sol 

especialEntenda a sessão do STF e veja como votaram os ministros em outras questões 

documentoLeia a íntegra do voto do relator, a favor da demarcação contínua 

documentoLeia a íntegra do voto de Marco Aurélio Mello, contra a demarcação contínua 

 

 

Os índios comemoraram a vitória com a dança do parixara, na sede do CIR, em Boa Vista, e na vila Surumu. "Em nenhum momento acreditamos que o resultado seria diferente. Conseguimos trazer os votos para nosso povo e estamos satisfeitos com a decisão do STF", afirmou Dionito. Para ele, os dez ministros que votaram a favor da demarcação contínua reconheceram os direitos dos índios garantidos na Constituição de 88. "A lei tardou, mas não falhou", comemorou.

 

O coordenador observou que a partir de agora pretende trabalhar em parceria com o poder público para desenvolver a região. "A nossa única exigência é que respeitem a nossa cultura", comentou.

Sem opção, o líder arrozeiro Paulo César Quartiero disse que não empreenderá resistência à saída, que será imediata, mas espera que o ministro Carlos Ayres Brito, relator da ação, estabeleça prazo até maio para a conclusão da colheita, retirada de maquinários e transferência do gado.

 

Quartiero afirmou não ter como calcular os prejuízos caso a retirada seja feita em menor prazo. Segundo ele, somente nas suas fazendas, Providência e Depósito, há 1.500 hectares de arroz para colher. Por outro lado, os produtores teriam 9 mil cabeças de gado dentro da reserva.

O líder arrozeiro criticou duramente a decisão do STF. "O julgamento constatou o ódio e o rancor da Suprema Corte contra os produtores de alimentos do Brasil e especialmente de Roraima. Quase uma vingança, mas vamos continuar trabalhando".

Tudo o que sabemos sobre:
Raposa Serra do Sol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.