Índios caingangues encerram protesto no Paraná

Foi suspenso por tempo indeterminado o protesto dos índios caingangues da reserva Barão de Antonina, a 129 quilômetros de Londrina, no norte paranaense. Eles tomaram a decisão nesta sexta-feira, após quatro dias de protestos e ameaças de incendiar as torres de alta tensão que cortam a área.Os indígenas querem uma indenização da Companhia Paranaense de Energia (COPEL) pelo uso da área, além de pedirem o retorno do fornecimento de energia, cortada por causa da inadimplência.Segundo a Assessoria Especial para Assuntos Indígenas do Governo do Estado, estão previstas algumas reuniões na próxima semana para resolver o impasse. Para melhorar a relação com o grupo indígena, a COPEL se comprometeu a manter o fornecimento de luz na reserva, mesmo para quem não pagou suas contas. A reserva possui 3.751 hectares, onde vivem atualmente 350 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.