Indio discute com Kassab adesão ao PSD

Ex-candidato a vice por José Serra, o ex-deputado defederal pelo DEM estaria prestes a anunciar adesão ao partido criado pelo prefeito de São Paulo

Daiene Cardoso, da Agência Estado

22 de março de 2011 | 16h30

Descontente com os rumos do DEM, o ex-deputado federal Indio da Costa (RJ) já não esconde mais sua simpatia pelo PSD (Partido Social Democrático), legenda em fase de recriação pelo prefeito de São Paulo Gilberto Kassab. "O conteúdo do PSD tem tudo a ver com o que eu defendi a vida toda, que é a social democracia", admitiu Indio. O ex-deputado, que foi vice na chapa presidencial de José Serra e chegou a ser sondado para integrar os quadros do PSDB, reúne-se na tarde desta terça-feira, 22, com o ex-senador Jorge Bornhausen e na quarta-feira, 23, almoça com Kassab, na capital.

Para aliados de Kassab envolvidos na recriação do PSD, o anúncio da adesão de Indio é uma questão de dias. "Ele está aguardando o melhor momento", revelou um deputado que está deixando o DEM para seguir o prefeito de São Paulo.

O ex-deputado argumenta que o PSD é um partido "que nasce independente" e que apresenta propostas que ele defendeu na campanha eleitoral de 2010. Indio elogiou as diretrizes programáticas da nova legenda, apresentadas ontem pelo vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, entre elas a defesa de programas de inclusão social. "Li o conteúdo do PSD e vejo ali um partido liberal", afirmou.

Indio, que foi a São Paulo conversar com Bornhausen e Kassab, diz que ainda não decidiu para onde irá, mas adianta que o PSDB não está entre suas alternativas. "Não iria hoje para o PSDB", disse o ex-deputado, que não descarta a possibilidade do DEM fundir-se, no futuro, com os tucanos. "Existe essa possibilidade do PSDB se juntar ao DEM", completou.

De olho na Prefeitura do Rio de Janeiro, Indio vê pouco espaço no DEM para uma candidatura própria e isso o motiva a deixar a sigla. "Minha situação no Rio é delicada. O César Maia está fazendo uma intervenção no diretório municipal", contou. Em seu perfil no Twitter, o ex-deputado chama o DEM do Rio de "feudo da família Maia".

Fogo amigo. O ex-governador de São Paulo Alberto Goldman (PSDB), que integra o Conselho de Administração da São Paulo Urbanismo da prefeitura paulista, questionou Kassab a respeito da criação do novo partido. "Até agora não entendi o que quer o Kassab. Hoje [segunda-feira, 21] declarou que o seu PSD será independente, nem oposição, nem situação. E que apoia o Alckmin. Menos mau", disse o ex-governador tucano em seu blog.

Goldman revela que ele e Serra trabalharam para dissuadi-lo da criação da legenda. "Tentamos (Serra, principalmente) evitar que o fato se consumasse. Mas ele estava decidido", lamentou. No final, o tucano avalia que o novo partido debilita a oposição. "O fato é que enfraquece a oposição, ainda mais", concluiu.

Embora ainda não tenha decidido oficialmente integrar a nova sigla, Indio já saiu em defesa do PSD. "Não é verdade que enfraquece a oposição porque tem pessoas de vários partidos, até da base, vindo para o PSD", rebateu Indio. No entanto, caso confirme sua mudança para o PSD, o ex-deputado avisa que se manterá firme na oposição ao governo federal, ao contrário de Kassab, que confirmou ontem sua aproximação com o governo Dilma Rousseff (PT). "Não marcharei com Lula e Dilma".

Tudo o que sabemos sobre:
Kassabnovo partidoPSDIndioDEM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.