Indicado pelo PMDB, ex-advogado de ruralistas assume diretoria no Incra

Luiz Antônio Possas de Carvalho, que já defendeu fazendeiros e empresas do agronegócio, é ligado ao deputado Carlos Bezerra (MT)

André Borges, O Estado de S. Paulo

13 de abril de 2016 | 15h26

BRASÍLIA - A diretoria de obtenção de terras e implantação de projetos de assentamento do  Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) passou a ser ocupada desde a última segunda-feira, 11, por Luiz Antônio Possas de Carvalho, advogado que já atuou em diversos processos em defesa de ruralistas e contra o próprio Incra.

Indicado pelo deputado federal Carlos Bezerra (PMDB-MT), Luiz Antônio Possas de Carvalho teve a sua nomeação publicada no Diário Oficial da União no dia 28 de março, assinada pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias. Até a última segunda-feira, porém, não tinha tomado posse.

Na semana passada, chegaram a circular informações de que Carvalho não assumiria o cargo no Incra, por conta do rompimento do PMDB com o governo. Nesta semana, porém, Carvalho passou a ocupar efetivamente a diretoria e já despacha do órgão federal. 

Em seu histórico de processos na defesa de fazendeiros, pecuaristas e empresas do agronegócio, Carvalho chegou a atuar, por exemplo, em uma ação em favor Jonas Barcellos Correa Filho, um dos maiores criadores de gado do País. Muitos processos estão concentrados na 1ª Vara Cível e Agrária do Mato Grosso.

Questionado sobre o assunto, o ministro Patrus Ananias não se pronunciou sobre o assunto. O deputado federal Carlos Bezerra está entre os poucos parlamentares que ainda se enquadram entre os "indecisos" em relação à votação de impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

A reportagem questionou o Incra sobre eventual conflito de interesses na nomeação de Luiz Antônio Possas de Carvalho e se o instituto tinha informações sobre a atuação profissional prévia. O órgão não se manifestou sobre essas questões, limitando-se a enviar uma resposta direta do próprio diretor recém-empossado.

Por meio de nota, Carvalho declarou que está fora do exercício da advocacia desde 2013, quando assumiu a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Mato Grosso (Sejudh-MT). "Os processos mencionados são da década de 1990, transitados em julgados. Alguns dependem de pagamentos, mas por mim substabelecidos, matéria total alheia à Diretoria de Obtenção do Incra. Há mais de dez anos que não proponho ou defendo matérias que envolvam o Incra", declarou Carvalho. 

Ele declarou ainda que seu nome foi alvo de avaliações prévias por órgãos federais. "Meu nome passou por pesquisa pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e aprovado sem ressalvas, pois todas as minhas passagens por cargos públicos tiveram contas aprovadas por louvor." 

Desde o dia 6 de março, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou a paralisação imediata do programa de reforma agrária do Incra em todo o País. Estão suspensos novos processos de seleção de beneficiários de lotes, bem como de pessoas que já tenham sido selecionadas pelo programa. A medida cautelar emitida pelo tribunal decorre de uma auditoria que identificou mais de 578 mil beneficiários irregulares do programa do governo federal.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.