Indicado ao STF, Fachin minimiza presença em vídeo de apoio a Dilma

O jurista se reuniu com Renan Calheiros (PMDB-AL) para conversar sobre a sabatina que terá de submeter na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

15 Abril 2015 | 18h46

Brasília - Indicado para o Supremo Tribunal Federal, o jurista Luiz Edson Fachin minimizou nesta quarta-feira (15) o fato de aparecer em um vídeo declarando apoio à presidente Dilma Rousseff na campanha de 2010.

"A vida implica, em diversos momentos, no exercício da cidadania, a tomada de algumas direções. Eu sei bem distinguir as direções nos diversos momentos. E tenho certeza que o meu comportamento e a minha trajetória indicam também essa direção", disse Fachin.

Devido à simpatia ao PT e a outros movimentos ligados ao partido, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), senadores têm questionado a isenção de Fachin caso ele tenha que julgar políticos ligados ao partido se assumir efetivamente a vaga no STF.

O jurista se reuniu nesta tarde com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para conversar sobre a sabatina que terá de submeter na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, que deverá ocorrer no próximo dia 29. Segundo ele, esse será o momento para prestar todos os "esclarecimentos que forem necessários" sobre o assunto.

"Em homenagem e respeito ao Senado, vamos desenvolver todos esses temas e outros que forem de interesse dos senadores. Eu prestarei todos os esclarecimentos que forem necessários, coerentes com a minha trajetória e com o cargo que se coloca no horizonte", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.