Índias poderão dar à luz em hospitais sem ferir tradições

Governo de São Paulo vai preparar dez hospitais próximos de tribos guaranis para atender as índias

da Redação,

18 de agosto de 2008 | 14h05

Dez hospitais públicos de São Paulo estarão preparados para realizar partos de índias respeitando as tradições de suas tribos. É o que informa a secretaria de Estado da Saúde nesta segunda-feira, 18. A ação faz parte do Projeto de Resgate da Medicina Tradicional da População Indígena, e os hospitais, segundo a secretaria, foram escolhidos de acordo com a localização próxima às tribos guaranis. O Estado de São Paulo conta com cerca de 2.500 índios vivendo em 15 tribos. Aproximadamente 60% dessa população é formada por mulheres.  Os hospitais oferecerem às parturientes uma alimentação baseada em frango novo, arroz, mingau, milho e derivados e arroz, conforme a tradição indígena. E entregam a placenta à mãe para que esta seja enterrada após o nascimento do bebê. Segundo a coordenadora de Saúde do Povo Indígena, cerca de 80% das índias opta por ter o bebê na tribo, o que pode colocar em risco a vida das gestantes e dos recém-nascidos, em alguns casos.  A secretaria informa ainda que os partos nos hospitais só são realizados se for de interesse das gestantes e dos dirigentes das aldeias. Além disso, as parteiras podem acompanhar a mulher durante o parto.  Veja quais hospitais fazem parte do programa:1. Santa Casa de Ubatuba - Ubatuba2. Hospital Regional do Vale do Ribeira - Pariquera-açu3. Hospital São João - Registro4. Hospital Geral de Pedreira - São Paulo5. Irmandade Sagrado Coração de Jesus - São Sebastião6. Hospital e Maternidade Interlagos - São Paulo7. Hospital e Maternidade de Bertioga - Bertioga8. Hospital Regional de Itanhaém - Itanhaém9. Hospital e Maternidade de Mongaguá - Mongaguá10. Unidade Hospitalar de Peruíbe - Peruíbe

Tudo o que sabemos sobre:
questão indígenapartotribosguarani

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.