Índia é agredida por adolescentes em Dourados-MS

Vítima, agredida por quatro menores, teve lesões nos braços, nas mãos e no rosto, e foi internada

JOÃO NAVES, Agencia Estado

22 de agosto de 2007 | 15h05

A índia da etnia caiová, Adélia Garcia Garcette, de 37 anos, foi agredida hoje por quatro menores com idades entre 12 e 14 anos na Reserva Indígena de Dourados, no Mato Grosso do Sul, a 220 quilômetros de Campo Grande. Dois deles foram detidos ainda com as roupas sujas de sangue da vítima. O que tem 12 anos, estava visivelmente alcoolizado. A vítima teve lesões nos braços, nas mãos e no rosto e foi internada no Hospital Evangélico de Dourados. Segundo testemunhas ouvidas pela Polícia Civil, os garotos invadiram a casa de Adélia, na Aldeia Bororó, que fica dentro da reserva, e começaram a espancá-la com facões, principalmente na cabeça. O crime aconteceu por volta de 4h da madrugada, segundo informações dos soldados do Corpo de bombeiros que socorreram a mulher, mãe de seis filhos, o mais novo com apenas oito dias de vida. As crianças correram para o mato, carregando o recém nascido na hora da agressão.O crime chocou a aldeia, dois dias depois que parlamentares da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal estiveram na aldeia para uma audiência pública em Dourados, que discutiu a violência nas aldeias indígenas do Estado. Este ano, 14 índios e índias foram assassinados no no Mato Grosso do Sul. Na ocasião, o presidente da comissão, padre Luiz Couto (PT-PE), prometeu elaborar um relatório sobre os crimes na maioria das 72 aldeias indígenas do Estado. Os parlamentares acreditam que a falta de espaço é a principal causa da situação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.