Indeferido pedido de quebra de sigilo de Fleury

O juiz Antonio Carlos Ferraz Miller da 7ª Vara da Fazenda, indeferiu hoje requerimento do Ministério Público de São Paulo de quebra de sigilo bancário e fiscal e também a indisponibilidade de bens e recursos do ex-governador Luiz Antonio Fleury Filho (1991-1994), de seu irmão, Frederico Coelho Neto, o Lilico, e do empresário José Pascoal Costantini, diretor proprietário da Atlas Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários e da Atlas Factoring.No pedido, feito em ação cautelar, promotores de Justiça da Cidadania acusavam Fleury de ter feito remessas de dólares e de ouro para a Suíça e os Estados Unidos. A base da ação é uma denúncia de Hilário Sestini, ex-diretor da Atlas. "Embora tenha desempenhado durante sete anos a diretoria, o denunciante não aponta fatos que indiquem a participação do ex-governador ou de seu irmão na prática das irregularidades ou na administração dessas sociedades; nem indica as quantias remetidas para o exterior", disse o juiz na decisão.Miller anotou que o pedido poderá ser renovado "desde que fundado em fatos e indícios idôneos". Segundo ele, "estes autos contêm muito pouco para permitir que a garantia constitucional seja rompida".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.