André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Indecisos devem estar 'acumulando informações' e podem votar a favor de Dilma, diz senador petista

De acordo com o senador petista, a oposição buscou neste primeiro tempo dos depoimentos um caminho mais técnico para questionar a presidente e Dilma precisa responder aos questionamentos de forma mais objetiva

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2016 | 13h56

BRASÍLIA - O senador Humberto Costa (PT) afirmou, no início da tarde desta segunda-feira, 29, acreditar que os senadores que estão indecisos "sinceramente" podem decidir o voto a favor da presidente afastada Dilma Rousseff. “Quem estiver indeciso deve estar acumulando informações”, afirmou.

De acordo com o senador petista, a oposição buscou neste primeiro tempo dos depoimentos um caminho mais técnico para questionar a presidente e, com  isso, Dilma precisa responder mais objetivamente. “Agora vamos trazer os temas políticos e que ela reafirme o que foi colocado no discurso inicial”, disse.

Humberto Costa rebateu também o questionamento de alguns senadores que se manifestaram contra o uso da palavra “golpe”. “Se eles querem impedir que a palavra golpe seja dita vão precisar calar a imprensa internacional, calar parte da imprensa local, calar manifestantes, calar boa parte dos brasileiros”, afirmou.

Costa disse ainda que é estranho que o processo da presidente Dilma esteja sendo julgado quando o do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a quem chamou de “bandido renomado”, esteja parado.

Relator. O senador Antônio Anastasia (PSDB-MG), que foi relator na Comissão Especial do impeachment, e o quinto senador a questionar Dilma, disse que suas perguntas foram de ordem técnica e coerentes com seu trabalho como relator.

Anastasia disse ainda que a Dilma erra ao falar em contingenciamento, pois não é este o objeto da discussão. “O que está se questionando é a abertura de crédito”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.