Incra: sem-terra prometeram não ocupar fazenda

O superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Mato Grosso do Sul, Celso Cestari, negou que a Fazenda Itamaraty, em Ponta Porã (MS), esteja ameaçada de invasão por famílias de sem-terra. Cestari disse ter conversado nesta quarta-feira com os líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e de outros movimentos sociais. Na conversa, segundo ele, os sem-terra teriam assumido compromisso de não invadir a área. Desde sábado, centenas de famílias de sem-terra estão acampadas nas proximidades da fazenda, cuja compra foi anunciada em janeiro pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann. A assessoria do Incra informou que o processo de compra da área deverá ser concluído nos próximos dias, após parecer de técnicos do órgão. Depois de comprar a fazenda, a União irá transferi-la para o governo de Mato Grosso do Sul, que ficará responsável pela infra-estrutura e a assistência aos assentados do futuro projeto. O governo federal investirá R$ 27,5 milhões em títulos da dívida agrária (TDAs) na aquisição do imóvel, que tem capacidade para o assentamento de 1.300 famílias de sem-terra. A área total em processo de compra é de 25.100 hectares. A Fazenda Itamaray pertencia ao empresário Olacir de Moraes e possui sistema de pivôs centrais de irrigação, áreas de pastagens e estradas vicinais. Na área existem outras benfeitorias - como aeroporto, máquinas e casas -, que não foram incluídas no processo de compra da fazenda.A compra do imóvel está sendo negociada pelo Incra diretamente com o Grupo Itaú, a quem as terras pertencem atualmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.