Incra retoma lotes vendidos irregularmente por sem-terra

O Incra retomou sete lotes do assentamento Capão Bonito II, em Sidrolândia, a 60 quilômetros de Campo Grande, que foram vendidos irregularmente pelos sem-terra beneficiados pela reforma agrária. As famílias dos lotes 30, 196, 221, 246, 292, 298 e 302 teriam de desocupar as áreas por determinação judicial, até segunda-feira passada, conforme informação do órgão. Como não atenderam, serão despejadas nesta sexta-feira com força policial.Segundo o superintendente regional do Incra, Celso Cestari, os vendedores dessas terras tiveram seus nomes excluídos do cadastro geral da reforma agrária em todo o País. Além disso, serão localizados e terão de devolver ao governo federal o dinheiro que receberam para alimentação, construção de residência e custeio para formação de lavouras. Os terrenos que têm, em média, de 20 a 25 hectares, serão repassada para outras famílias de sem-terra.Julgamento - Em Iguatemi, sul de Mato Grosso do Sul, a 240 quilômetros de Campo Grande, um grupo de 200 sem-terra acampou na frente do prédio da Câmara Municipal, aguardando o resultado do julgamento de seis sem-terra, acusados de matar o capataz Luiz Correia da Silva, da Fazenda Rancho Loma, naquele município. O crime aconteceu no dia 5 de julho do ano passado, quando a vítima foi abordada dentro da fazenda pelos agressores e morta com golpes de foice. O julgamento começou às 8h de hoje e não tem hora para terminar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.