PAULO LIEBERT/ESTADÃO
PAULO LIEBERT/ESTADÃO

Incra bate recorde em empréstimo a assentados

Em 2017, instituto liberou R$ 97 milhões e governo emitiu 123,5 mil títulos de posse

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

03 Março 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) liberou no ano passado R$ 97 milhões em empréstimos para assentados se instalarem nas terras recebidas do governo. O volume, um recorde alcançado em meio a grandes cortes orçamentários em todo o governo, é reflexo de outra marca: a emissão de 123.553 títulos de posse, provisórios e definitivos, em um único ano.

O programa de regularização fundiária será o destaque de um evento em preparação pelo Palácio do Planalto. No dia 16, o presidente Michel Temer deve ir a Marabá (PA) e a Caraguatatuba (SP) para entregar títulos para assentados. Haverá ainda eventos simultâneos em mais seis cidades, com um total de 50 mil documentos entregues. Com isso, o governo terá cumprido quase metade da meta fixada para este ano, que é entregar 120 mil títulos de posse. 

A meta de 2018 busca repetir o volume recorde do ano passado. Em 2017, foram emitidos 97 mil títulos provisórios, que são ou deveriam ser dados às famílias assim que são assentadas, e 26,5 mil títulos definitivos, conquistados dez anos depois. Na maior parte, são documentos cuja emissão estava atrasada.

Os números marcam uma mudança na atuação do Incra. “A reforma agrária é uma agenda econômica, não de assistência social”, disse ao Estado o presidente do instituto, Leonardo Góes. “O Incra se vê hoje como órgão de desenvolvimento.”

+++Decreto de demarcação de terras quilombolas é constitucional, decide STF

A nova “pegada econômica” do Incra está no assentado que recebe título definitivo. Com o papel, ele pode tomar empréstimos no sistema financeiro, mesmo em bancos privados, dando a propriedade como garantia. Nesse caso, o empréstimo pode chegar a R$ 300 mil. Como em 2017 foram entregues 26 mil títulos definitivos, o potencial de crédito chega a R$ 7,8 bilhões injetados na atividade rural.

Movimentos sociais. A guinada na política adotada pelo Incra, no entanto, provocou críticas de movimentos sociais e analistas da área. Também sofreu questionamentos do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União (TCU). “O interesse maior que justifica esse processo é aquecer o mercado de terra, como lastro para o capital financeiro”, disse Ruben Siqueira, da Comissão Pastoral da Terra. “Estamos chamando de privatização da reforma agrária”, afirmou Alexandre Conceição, da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST).

Para o professor Sérgio Sauer, da Universidade de Brasília (UnB), o governo regulariza para se desonerar de programas para assentados. “O título de posse não é ruim, mas ele não garante políticas públicas.” Segundo ele, há assentamentos onde não há eletricidade e o risco é o governo dar o papel para as famílias e deixar que elas paguem pela infraestrutura.

Sauer também disse que a pressa nas regularizações “coloca os lotes no mercado de terras”. O Incra nega. A nova legislação, afirmou Góes, evita a reconcentração de terras ao proibir que cartórios registrem, para um mesmo dono, áreas superiores a quatro módulos fiscais. Áreas onde há assentamentos, disse, “jamais voltarão a ser uma grande propriedade”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.