Incra apura ligação de assentados com conflito

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de São Paulo vai apurar a participação de beneficiários da distribuição de lotes no ataque ocorrido no Assentamento Bela Vista, em Araraquara, no último domingo. Na ocasião, um grupo que tinha sido excluído do assentamento por arrendar as terras para o cultivo de cana invadiu a área e ateou fogo aos barracos dos novos ocupantes da área. Um carro foi incendiado e pelo menos 10 pessoas ficaram feridas. Se a participação for comprovada, eles podem ser excluídos do programa de reforma agrária e perderão os lotes, advertiu o instituto. O Incra já pediu à Justiça a exclusão de 12 famílias, por arrendarem lotes para produtores de cana, prática proibida pelo Estatuto da Terra. De acordo com o instituto, além de prejudicar a diversidade de culturas antes mantida no assentamento, a exploração da cana se estendeu à área de reserva legal, que deveria ser preservada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.