Incra anuncia desapropriação de 100 mil hectares no Pará

O presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Rolf Hackbart, afirmou que o governo pretende cumprir a meta estabelecida no ano, que é a de assentar 115 mil famílias até dezembro. Ele anunciou a desapropriação, nos próximos dias, de 100 mil hectares do Sul do Pará para o assentamento de três mil famílias. Rolf Hackbart disse a Agência Estado que nenhum recurso do orçamento do orgão, de R$ 1,4 bilhão, foi contigenciado. Hackbart não quis comentar as declarações do coordenador do Movimento dos Sem-Terra (MST), João Pedro Stédile, de que abril será um mês de ocupações. Segundo ele, o Incra espera receber mais R$ 1,7 bilhão, ainda este ano, para ser usado na reforma agrária. "Nos últimos 20 anos os trabalhadores rurais se mobilizam entre abril e junho.Já o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, disse que qualquer decisão do governo em relação ao MST deve ser tomada "dentro do império da lei". Rodrigues não quis polemizar sobre o assunto. Em julho de 2003, quando Stédile, em discurso no município de Canguçu (RS), convocou todos os sem-terra e pequenos agricultores do País para uma guerra contra os fazendeiros, Rodrigues divulgou nota intitulada "O campo produz paz". "A sociedade brasileira foi surpreendida com declarações de representantes de movimentos sociais no campo incitando à guerra contra os produtores rurais", informou Rodrigues na ocasião. "Trata-se de um absurdo inconcebível, um equívoco brutal e uma ameaçadora agressão ao Estado de Direito e à Democracia. Defender uma solução violenta para a questão agrária é não ter compromisso com o Império da Lei, com a Democracia e com a Paz", afirmava a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.