Incor realizou transplante de coração e rim

Médicos do Instituto do Coração (Incor), do Hospital das Clínicas de São Paulo, anunciaram nesta quinta-feira a realização do primeiro transplante duplo de coração e rim bem-sucedido no Brasil. A paciente Liliam Martinez, de 30 anos, teve o coração comprometido pela doença de chagas, contraída durante uma transfusão de sangue na infância. Já adulta, ela também descobriu ser portadora de rins policísticos, uma moléstia hereditária que reduz a capacidade renal.Liliam vivia quase imobilizada e enfrentava três sessões de hemodiálise por semana. Sua expectativa de vida era de apenas seis meses. O transplante foi realizado há 50 dias, mas os médicos decidiram aguardar a evolução do quadro da paciente para divulgar a notícia. Lilian já teve alta e, em casa, afirmou que sua qualidade de vida melhorou muito. ?Antes sentia muita canseira e falta de ar. Era horrível.? Lilian recebeu o coração e o rim de um mesmo doador, um homem de 37 anos, que sofreu morte cerebral ao ser operado para a remoção de um tumor na cabeça. Segundo o chefe do Programa de Transplantes Cardíacos do Incor, Noedir Stolf, o sucesso desse duplo transplante é uma esperança para inúmeros outros pacientes . ?Até então, uma pessoa que apresentava falência em dois órgãos importantes era descartada para a prática de transplantes, devido ao grande risco?, disse o cardiologista. ?A partir de hoje esse conceito deverá ser revisto.? Sucesso ? De acordo com Stolf, o sucesso desse tipo de transplante também é único na América Latina e raro em outras partes do mundo. ?Acredito que apenas algumas dezenas tenham sido realizados, mesmo nos países mais desenvolvidos.? No caso de Liliam, o transplante de rim foi o que mais deixou os médicos apreensivos, motivando o longo período de internação. ?O órgão levou algum tempo para retomar as condições vitais?, justifica o chefe da Clínica de Urologia do Incor, Sami Arap. Mas a espera valeu a pena, segundo o médico. ?Ela terá de tomar medicamentos contra rejeição e passar por exames regulares, mas poderá desenvolver suas atividades normalmente?, afirmou. ?É uma sensação maravilhosa a de devolver a vida a quem estava à beira da morte.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.