Incêndio não gera temor sobre a Copa, diz governo

Ministro cita experiência do país em eventos com multidões; para a Fifa, tragédia no RS 'não tem nada a ver com estádios'.

BBC Brasil, BBC

28 de janeiro de 2013 | 19h06

Um dia após a tragédia no Rio Grande do Sul gerar preocupações sobre os padrões de segurança do país, o governo federal e a Fifa afirmaram que os grandes eventos esportivos que o país sediará serão seguros.

O incêndio em uma casa noturna em Santa Maria, que causou 231 mortes no domingo, levantou suspeitas de que autoridades locais possam ter negligenciado a atenção quanto a questões básicas de segurança. O alto número de mortes tem sido atribuído ao tumulto ocorrido quando jovens tentaram, sem sucesso, fugir pela única saída de emergência do local.

Mas organizadores dos eventos dizem que a tragédia não deve gerar preocupações quanto à Copa de Mundo de 2014 e às Olimpíadas de 2016.

Eles dizem que o Brasil está habituado a eventos com multidões e que os estádios usados nos dois eventos seguirão altos padrões de segurança.

Em vídeo publicado nesta segunda-feira pelo comitê da Copa, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, diz que o Brasil está pronto para sediar o evento e citou a experiência do país na organização do Carnaval.

Segundo Padilha, ao menos três das cidades que sediarão jogos no torneio -- Rio, Salvador e Recife -- atraem até 600 mil turistas anualmente no Carnaval. "Então, já temos simulações de como rapidamente montar um serviço de urgência e emergência para dar conta dessa necessidade."

Imagem do país

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse a jornalistas que "o Brasil é um país habituado a realizar grandes eventos com margem de segurança, de organização, e um acidente, por mais lamentável que seja, não vai alterar a imagem do país diante do mundo".

A Fifa também rejeitou associações entre a tragédia em Santa Maria e preocupações sobre a Copa.

No Brasil, o secretário-geral da entidade, Jerome Valcke, disse que o incêndio na casa noturna "não tem nada a ver com a segurança nos estádios durante a Copa das Confederações (em junho) e a Copa do Mundo".

Valcke visitou o país para participar da cerimônia que marcaria 500 dias para o Mundial, nesta segunda, mas o evento foi cancelado após o incêndio.

A Fifa e o governo dizem que os 12 estádios - que estão sendo construídos ou reformados especialmente para a Copa - serão bem equipados e confortáveis.

Plano de segurança

Assessores do comitê de organização da Copa disseram à BBC Brasil que em breve o governo anunciará um plano de segurança para o evento. Segundo eles, o plano não tem relação com o incêncio e está sendo preparado há vários meses.

Alguns incidentes nos últimos anos geram temores sobre a segurança em estádios no país.

Em 2007, sete pessoas morreram e 30 se feriram no estádio Fonte Nova, em Salvador, quando parte de sua estrutura despencou. O estádio está sendo reformado para a Copa. Em 2000, no estádio de São Januário, no Rio, 150 torcedores se feriram com a queda de uma cerca, durante um tumulto.

Autoridades dizem, porém, que a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos estão recebendo atenção especial do governo e que, com tantos holofotes sobre os eventos, haverá um esforço extra para que não ocorram suspresas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.