Incêndio na Favela Paraisópolis deixa mais de 100 desabrigados

Depois de mais de duas horas de combate ao fogo, que empregou cerca de 75 soldados e 21 destacamentos do Corpo de Bombeiros, o incêndio na Favela Paraisópolis foi finalmente dominado, por volta de 23h15 deste sábado. A segunda maior favela da capital fica no bairro do Morumbi, na zona sul. Não há informações sobre vítimas fatais. Apenas algumas pessoas sofreram mal-estar pela inalação da fumaça ou com escoriações. As primeiras conclusões dos soldados do Corpo de Bombeiros são de que houve apenas danos materiais como a destruição de pelo menos 25 casas. Comandando pessoalmente a equipe de resgate, a prefeita Marta Suplicy, que chegou por volta de meia-noite, orientou os desabrigados a se cadastrarem junto às assistentes sociais. Com ela, o Secretário de Assistência Social, Gilmar Tato, funcionários da Defesa Civil e líderes da comunidade local encarregaram-se de encaminhar os desabrigados ao Colégio Paulo Freire e à sede da sociedade de moradores do bairro, onde deverão passar a noite. Durante o domingo e na segunda-feira serão removidos para alojamentos da prefeitura ou para um hotel. O fogo teve início na Viela Dois Irmãos e espalhou-se em direção à rua Pascoal Gualupe. Segundo os bombeiros só pela manhã se poderá ter certeza de que não há vítimas carbonizadas, uma vez que uma grande área ficou sem iluminação. Quando à origem, só as investigações policiais poderão confirmar o que ocorreu. Para tanto, foi instaurado inquérito no 89.º DP, do Portal do Morumbi. O comentário, não confirmado, de moradores é de que um homem embriagado teria brigado com a mulher e ateado fogo na própria residência. Alguns moradores o teriam ouvido gritar que ia explodir a casa. Apesar de serem moradias de alvenaria, em pouco tempo as chamas se alastraram, com a explosão de alguns botijões de gás e a queima de móveis, roupas e utensílios domésticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.