Incêndio destrói sede de assentamento do Incra no interior de São Paulo

Assentados acreditam que incêndio foi criminoso e pedem investigação; não havia ninguém no local

José Maria Tomazela, de O Estado de S. Paulo

21 de novembro de 2012 | 16h56

SOROCABA - Um incêndio destruiu na madrugada desta quarta-feira, 21, a sede do Assentamento Dona Carmem, administrado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Mirante do Paranapanema, no extremo oeste do Estado de São Paulo. As chamas consumiram a casa-sede da antiga Fazenda Dona Carmem, desapropriada pelo órgão federal para a reforma agrária.

Pilhas de documentos das 186 famílias beneficiadas com lotes no local foram consumidas. Não havia ninguém no local. Assentados acreditam que o incêndio foi criminoso e pedem investigação. O imóvel era disputado pela Associação dos Agricultores do Assentamento e por duas outras entidades, uma delas ligadas a José Rainha Junior, líder do MST da Base, uma dissidência do Movimento dos Sem-Terra (MST) que atua na região.

A associação ligada a Rainha é investigada pelo Ministério Público Federal por suposto desvio de recursos da reforma agrária. Em junho de 2011, nove pessoas foram presas, entre elas o próprio Rainha Júnior, acusadas de envolvimento no esquema - ele nega as acusações.

A superintendência do Incra em São Paulo informou ter registrado a ocorrência do incêndio na Delegacia de Polícia Civil de Mirante do Paranapanema, pedindo a realização de perícia no local. Conforme o órgão, já existe um processo administrativo para a concessão de uso da sede do assentamento em favor da Associação dos Agricultores. Ainda segundo o Incra, houve a desistência formal no processo das outras entidades que reivindicavam as terras, a Associação Progresso e Associação Nova Conquista, ambas com sede em Mirante do Paranapanema.

Tudo o que sabemos sobre:
Incraincêndioassentamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.