Incêndio continua a destruir Pantanal

Dez focos de incêndios ou mais ainda continuam destruindo a flora e fauna pantaneiras no Mato Grosso do Sul. A Secretaria de Meio Ambiente, Cultura e Turismo (Semact) junto com Corpo de Bombeiros, Polícia Ambiental e Defesa Civil já possuem um quadro parcial da área atingida pelo fogo na região, dia 13 último. Segundo o diretor-presidente da Fundação Pantanal, Paulo Guilherme Cabral, foram detectados pontos de incêndio em área de 3,6 mil hectares, distantes 50 quilômetros um do outro, entre Porto Esperança e Porto da Manga, em Corumbá. A área formada por inúmeras ilhas está sendo protegida pelos braços do Rio Paraguai. Estudos técnicos constataram que o controle do fogo só poderá ser feito por aeronaves devido ao difícil acesso. O Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) prometeu repassar recursos para o Governo do Estado, para alugar aeronave visando facilitar o monitoramento dos técnicos. A locação ocorre porque o avião disponível está sendo utilizado para combater o fogo na região do Parque Florestal de Itatiaia, no Rio de Janeiro. Durante o sobrevôo foi observado que os focos estão mais concentrados na margem do Rio Paraguai. "Ainda é cedo para levantarmos a causa do incêndio mas, como a umidade na região está alta há indícios de que pessoas que acampam à margem do rio podem ter ateado fogo no local", disse Cabral. Uma equipe do Corpo de Bombeiros irá fazer o trabalho terrestre amanhã na BR-262 e também próximo à Estrada Parque que atravessa o centro do Pantanal em Corumbá, partindo do Porto da Manga, onde também foi detectado vários focos de incêndios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.