Inauguração na Petrobras marca despedida de Lula

A cerimônia de inauguração da nova área do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Petrobras (Cenpes), na Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro, começou marcada por um tom de despedida e homenagens ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O povo te ama. Eu amo também", disse o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes.

KELLY LIMA, Agência Estado

07 de outubro de 2010 | 18h49

Já o reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Aloisio Teixeira, ressaltou que "nunca antes na história deste País" tantos empregos foram gerados na universidade pública. "Só na UFRJ foram 500 novas vagas", disse. O vice-governador do Rio, Luiz Pezão (que substituiu Sergio Cabral no meio da cerimônia, quando o peemedebista teve que deixar o local), afirmou que Lula termina seu mandato de "alma lavada".

Por sua vez, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, iniciou seu discurso ressaltando que hoje é um dia simbólico porque "estamos comemorando o dia de aniversário de 57 anos da Petrobras, com a inauguração da plataforma P-57, pela manhã e agora a do Cenpes".

"Mas se lá no estaleiro a gente visualiza a enorme demanda de novos equipamentos que nós precisaremos encomendar para atender o plano de dobrar a produção e construir uma nova Petrobras nos próximos anos, lastreando a geração de empregos e renda no Brasil, nós não poderíamos esquecer que a ideia, o projeto e o controle da ciência, o saber é fundamental", disse.

Ele destacou que a companhia decidiu estrategicamente investir no desenvolvimento de projetos em 2003. "Tivemos uma decisão importante que foi de aprofundar a capacidade de investimento no desenvolvimento tecnológico da Petrobras, ampliar o Cenpes e investir na capacitação das universidades brasileiras", afirmou.

"Hoje, com a perspectiva de sermos a indústria que mais cresce na indústria de petróleo no mundo, e com a percepção clara de que seremos a empresa que mais vai crescer no mundo nesta área, nós estamos inaugurando este belíssimo prédio que não seria nada se não fosse toda a dedicação de todos os que trabalham aqui", disse Gabrielli.

Ele ressaltou ainda a importância de se "combinar a ousadia dos navegadores a ambição dos filósofos e poetas com a simplicidade dos engenheiros", como a empresa vem fazendo, segundo ele. Toda a diretoria da Petrobras compareceu ao evento, além dos ministros Sergio Rezende (Ciência e Tecnologia) e Luiz Dulci (Secretaria-Geral da Presidência).

Tudo o que sabemos sobre:
governoLuladespedidaPetrobrasRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.