Reuters
Reuters

'Imprensa tem predileção pela desgraça', diz Lula sobre Senado

Para presidente, apesar de resultado do emprego ter sido positivo, imprensa prefere dar foco no Senado

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

23 de junho de 2009 | 12h24

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a se queixar da imprensa nesta terça-feira, 23, em discurso na cerimônia de lançamento para a revitalização do Porto do Rio. O presidente reclamou que apesar de o resultado líquido do emprego ter sido positivo, com maior geração de postos de trabalho do que redução, "a manchete é o emprego no Senado". Para o presidente, a imprensa "tem uma predileção pela desgraça". "Eu vejo as matérias e já me assusto", declarou.

 

Veja também:

Especial multimídia: Os atos secretos de um Senado em crise

link'A crise é geral', avalia Tuma

linkSitiado, Sarney ouve apelo para que se licencie do cargo

linkSenado paga funcionários em mausoléu de Sarney no MA

link'Não sabia que era ato secreto'

linkGabeira usou verba oficial em empresa da namorada    

 

De acordo com Lula, dar a manchete com foco no Senado "é uma perda de valor". O presidente também reclamou da cobertura do Programa Luz para Todos. Ele disse que queria esclarecer que o governo acreditava que faltavam levar luz a dois milhões de pessoas e o compromisso do governo era levar a energia para dois milhões de pessoas. "Mas quando fomos à campo, descobrimos que eram três milhões (de pessoas) sem luz".

 

De acordo com o presidente, desde 2004 o Programa Luz para Todos gerou 300 mil empregos e instalou 833 mil quilômetros de fios. O presidente citou que 96 mil famílias voltaram para o seu lugar de origem depois que a energia chegou a eles. As famílias atendidas tiveram um aumento de 36% na renda familiar e 42% passaram a estudar a noite. De acordo com Lula, o Programa Luz para Todos levou às famílias a comprarem 1,570 milhão de televisores; 1,462 milhão de geladeiras; e 894 mil equipamentos de som.

Tudo o que sabemos sobre:
Lulaimprensacrise no Senado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.