Imprensa internacional repercute morte de Teori e destaca atuação na Lava Jato

Imprensa internacional repercute morte de Teori e destaca atuação na Lava Jato

FT diz que acidente pode 'enfraquecer toda a operação' e EL País afirma que 'todos os olhos políticos do País seguiam seus passos'

Célia Froufe e Gabriela Korman, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2017 | 21h35

A imprensa internacional repercutiu as informações sobre a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, vítima de um acidente aéreo em Paraty, no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira, 19.

O jornal britânico Financial Times publicou em seu site reportagem sobre morte do ministro e destacou que ele era o relator da "enorme" investigação anticorrupção apelidada de Lava Jato. Para o periódico, há a possibilidade de que a investigação possa ser seriamente prejudicada.

A publicação lembra que a morte de Teori levará o presidente da República, Michel Temer, a nomear um novo juiz para o STF em seu lugar, que ficará com o controle dos casos da Lava Jato. "Esta é uma oportunidade que ele de outra forma não teria", disse um advogado que pediu para não ser identificado pela publicação. "Isso pode levar a investigação a uma virada de 180 graus."

O juiz foi responsável por todos os casos na investigação de Lava Jato que chegaram ao Supremo. O jornal ainda destaca que nomeação a ser feita por Temer precisa passar pelo crivo do Senado e que muitos senadores foram delatados por testemunhas ou já estão sob investigação. "Haverá agora um poder enorme nas mãos do senado", disse o advogado ao FT. "Isso poderia enfraquecer toda a operação", aponta a publicação.

Essa fonte consultada pelo jornal contou que logo após a notícia, advogados e juízes já especulavam em grupos fechados de redes sociais sobre quem seria o sucessor de Teori. Entre os candidatos mais fortes, contou, estaria o polêmico ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que é amigo de Temer, ex-secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo e que, segundo o interlocutor, nunca escondeu que gostaria de ir para o STF. Outro nome mencionado é o de Ives Gandra Martins Filho. 

Os jornais Washington Post e ABC News, com informações da Associated Press, e o El Pais, Clarín e BBC informaram que a morte foi confirmada pelo filho do ministro, Francisco Prehn Zavascki, através de seu Facebook, minutos após também escrever que seu pai estava na lista de passageiros do avião.

Segundo o El Pais, "todos os olhos políticos do país seguiam os passos" de Zavascki devido a seu papel nas investigações da Lava Jato. "Se esperava que Teori Zavascki decidisse em fevereiro se aceitaria as confissões que implicavam centenas de políticos, incluindo os núcleos duros do governo atual, de Michel Temer, e do anterior, de Dilma Rousseff", de acordo com o jornal.

De acordo com a BBC, Teori era responsável por uma investigação massiva de corrupção relacionada com a Petrobras que levou à prisão de "dezenas de políticos e alguns dos empresários mais ricos do Brasil".

Teori era uma das quatro pessoas a bordo de um jato executivo que decolou de um aeroporto em São Paulo e caiu no mar perto da cidade de Paraty, no Estado do Rio de Janeiro. O STF havia confirmado apenas que ele estava na lista, e não que ele estava de fato no avião. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.