Reprodução
Reprodução

Imprensa internacional repercute anulação das condenações de Lula

Jornais nos EUA, França, Reino Unido e Argentina destacam decisão do STF nas primeiras páginas de suas edições digitais

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2021 | 19h21

A decisão que anulou condenações do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, por ordem do ministro Edson Fachin do Supremo Tribunal Federal (STF), teve destaque em alguns dos principais jornais do mundo nesta segunda-feira, 8. Leitores em países como Reino Unido, França e Argentina encontraram a notícia na primeira página das edições online dos jornais. 

O francês Le Monde destacou que a decisão “potencialmente o torna elegível para enfrentar Jair Bolsonaro na eleição presidencial de 2022”. A publicação também mostra que a Bolsa braileira (B3) caiu mais de 4% logo após a decisão, e que a notícia provocou reação dos aliados de Bolsonaro. 

O New York Times, nos EUA, diz que a decisão tem o “potencial de remodelar o futuro político do Brasil”. O jornal informa que há ampla expectativa de que Lula deve concorrer à Presidência em 2022. No Washington Post, também dos EUA, destaca que as condenações de Lula tinham relação com escândalos na Petrobrás mas que, segundo Fachin, o caso do ex-presidente não teria relação direta com os casos de corrupção investigados na estatal. 

Os dois principais jornais argentinos, Clarín e La Nación, destacaram que Lula agora poderá voltar a ser candidato. O Clarín informou que Fachin “ordenou que a investigação fosse reiniciada em outras jurisdições devido à suposta parcialidade do Ministério Público e do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro”. 

O La Nación diz que “Bolsonaro vê com bons olhos reeditar a polarização com o PT”. 

O The Guardian, da Inglaterra, diz que Lula “pode estar pronto para uma sensacional tentativa de retorno” após a decisão judicial. O jornal ouviu analistas que classificaram a notícia como uma “bomba política”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.