Imprensa é ‘essência’ da democracia, diz Renan

Evento ressaltou a liberdade de expressão como um dos destaques da Constituição de 88

Eduardo Bresciani e Ricardo Brito , O Estado de S. Paulo

03 de outubro de 2013 | 23h15

Brasília - O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta quinta-feira, 3, que a imprensa é "insubstituível" na democracia e disse ter o compromisso de interditar qualquer discussão para controlar o livre debate no País.

Calheiros participou do lançamento do livro A construção da democracia e liberdade de expressão: O Brasil antes, durante e depois da Constituinte, em alusão aos 25 anos da Constituição de 1988. A obra, da editora Instituto Vladimir Herzog, tem apoio do Instituto Palavra Aberta e das Organizações Globo.

Em discurso, Calheiros fez longa defesa das conquistas derivadas da Constituição e reiterou que a liberdade de expressão é um dos pilares da democracia. "A imprensa é insubstituível nas democracias modernas", disse. Segundo ele, a simples pretensão de abolir a liberdade de expressão a qualquer pretexto é "imprópria".

"Respeitar divergências e conviver com o contraditório, e até com excessos, é a essência da democracia", acrescentou o presidente do Senado.

O evento teve a presença de personalidades do Legislativo e Judiciário e representantes de veículos de comunicação. Foi realizado no Salão Nobre do Senado Federal.

O presidente do Instituto Vladimir Herzog, Ivo Herzog, afirmou após o evento que decisões judiciais censurando a publicação de reportagens, assassinatos de jornalistas e ameaças feitas a profissionais de imprensa são ainda desafios a serem enfrentados. "No mundo, o Brasil é ainda visto como parcialmente com liberdade de imprensa."

Diferença. A presidente do Instituto Palavra Aberta, Patrícia Blanco, destacou que o livro narra a conquista da liberdade de expressão e ressaltou que a garantia da ampla liberdade é a principal diferença da Constituição de 1988 em relação às anteriores.

"A liberdade de expressão ganhou nova dimensão, onde a multiplicidade de meios e formatos e de empresas proporcionam uma pluralidade inédita na vida dos brasileiros", disse.

Para o vice-presidente de Relações Institucionais das Organizações Globo, Paulo Tonet, a Constituição veio fechar uma "triste história" que levou pessoas a serem mortas por "ousar pensar e falar".

Ele observou que é da cultura brasileira resolver suas questões de forma consensual. "Produziu-se o consenso, que é típico do nosso povo que resolve suas mazelas pela composição e não por conflito", disse Tonet.

A senadora Ana Amélia (PP-RS), que é jornalista, registrou em sua fala a necessidade de vigilância para garantir a liberdade de expressão, que, segundo ela, "não pode estar vulnerável aos governantes de hoje nem aos de amanhã".

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal e deputado federal constituinte Nelson Jobim observou após o evento que a forma como o direito à liberdade de expressão foi escrito na Constituição, somente uma emenda constitucional teria poder para alterá-la e não por meio de qualquer projeto de lei.

Tudo o que sabemos sobre:
ConstituiçãoRenanimprensa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.