Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Imprecisão de horário de votação pode frustrar ato político no Planalto

Possível extensão da votação até a madrugada pode atrapalhar caminhada de governistas até o Palácio do Planalto

Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2016 | 15h08

Brasília - Imprecisão do horário de votação da admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado pode frustrar ato político de parlamentares da base do governo no Planalto. Após a votação, senadores planejam caminhar do Senado até o Palácio do Planalto, do outro lado da rua. Entretanto, é possível que a votação entre pela madrugada, o que impossibilitaria a ação.

Caso não seja possível, senadores querem participar de algum ato com a presidente amanhã, quando ela tiver de deixar o cargo. Eles entendem que é preciso "registrar" o momento de alguma forma e que o fato "não pode passar em branco".

Uma opção seria descer ao lado de Dilma a rampa do Palácio do Planalto. Antes disso, entretanto, é preciso a concordância da própria presidente. Ontem, ela havia pedido para suspender a cerimônia de descida da rampa. Na avaliação do Planalto, a cena poderia ser interpretada como "entrega" do governo.

No momento, menos de dez senadores discursaram na sessão. Se todos os 68 inscritos falarem, é possível que haja ainda mais 15 horas de sessão. A assessoria técnica do Senado prevê que a votação em si aconteça apenas às 5h da manhã. Entretanto, como presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), pode encerrar a fase de discursos. Ontem, ele havia informado que gostaria de realizar a votação por volta das 22h.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.