Imposto aéreo não ajuda os pobres, diz jornal

A cobrança de uma taxa sobre as passagens aéreas para ajudar os países mais pobres não será eficaz, de acordo o jornal alemão Berliner Zeitung, nesta quarta-feira. Apelo nesse sentido foi feito pelo presidente da França, Jacques Chirac, para que os países ricos cobrem um euro a mais nas passagens com este fim. O Brasil apóia a idéia, e o governo prometeu propor a nova taxa no Congresso na semana que vem. Como só cinco países cumpriram até agora meta da Organização das Nações Unidas (ONU), de contribuir com 0,7% de seu PIB para fomentar o desenvolvimento, algo precisa ser feito, admite o jornal alemão.Mas "por que passagens aéreas?", pergunta o Berliner Zeitung. "Em muitos países pobres, turismo é uma das fontes mais importantes de renda, e ela sofrerá se os vôos se tornarem mais caros", argumenta.Relatórios do Banco Mundial destacam que há uma forma mais eficaz para combater a pobreza, diz o jornal. "O protecionismo de nações ricas - barreiras alfandegárias altas e rigorosas normas de importação - é o maior obstáculo para prosperidade para muitos países, e é daí que se deveria partir."

Agencia Estado,

01 de março de 2006 | 08h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.