André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Impeachment não passa na Câmara com voto aberto, diz Wagner

Ministro da Casa Civil avalia que a votação secreta é um "convite à traição, dos dois lados", mas que o momento é favorável à Dilma

Isabela Bonfim e Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

22 de dezembro de 2015 | 12h40

Brasília - O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, avalia que o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff será derrubado ainda na Câmara dos Deputados. "Com voto aberto, acho que impeachment não passa sequer na Câmara", afirmou.

Para endossar a tese, o ministro usa a contabilidade dos votos do pleito secreto, que elegeu uma chapa de oposição para a composição da comissão especial de impeachment. Apesar de o governo ter sido derrotado, a base conseguiu 199 votos. Para garantir a manutenção da presidente, são necessários 171 votos quando o processo chegar ao plenário.

Wagner avalia que a votação secreta é um "convite à traição, dos dois lados", mas que o momento é favorável à Dilma. "Não gosto de falar que está enterrado, mas assim que a Câmara votar, acho que esse impeachment nós enterramos", aposta. Quanto aos prazos, Wagner entende que são incertos. "Quem faz a pauta é o presidente da Câmara. Mas, para mim, hoje o impeachment está natimorto."

Em sua opinião pessoal, o impeachment está enterrado porque "não houve crime de responsabilidade fiscal cometido pela presidente".

Jaques Wagner acredita que a sociedade está cansada do processo de impeachment. "A sociedade está mais afim de saber de emprego e desenvolvimento do que de impeachment. Ela não quer saber quem está sentado na cadeira, quer saber o que vamos fazer com o Brasil."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.