Impasse continua na greve da polícia em PE

A greve da polícia civil pernambucana, deflagrada há 11 dias, continua sem solução. Nem o Governo do Estado oferece proposta de aumento, nem os grevistas atendem à determinação judicial de retorno ao trabalho. A tática governamental é vencer pelo cansaço. Os policiais civis nada têm a perder, de acordo com o presidente do sindicato da categoria (Sinpol), Henrique Leite. "Nem o governo nos pressiona, nem nós radicalizamos", disse Leite, reiterando que a estratégia de radicalização - com a suspensão dos serviços essenciais, que estão sendo oferecidos - só será utilizada se houver endurecimento por parte do governo estadual. Os policiais querem aumento de 28% e reajuste do salário-base inicial, de R$ 74,00 para R$ 180,00. Com isso, o salário inicial passaria de R$ 529,00 para R$ 700,00. O governo usa a Lei de Responsabilidade Fiscal para negar a reivindicação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.