Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Imbassahy pede demissão do cargo de ministro

Carlos Marun assumirá a Secretaria de Governo, cuidando da articulação política num momento em que o governo tenta votar a reforma da Previdência

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2017 | 16h54

O ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, pediu demissão nesta sexta-feira, um dia antes da convenção nacional do PSDB. O deputado Carlos Marun (PMDB-MS), relator da CPMI da JBS, assumirá o lugar do tucano Imbassahy, cuidando da articulação política com o Congresso num momento em que o governo enfrenta muitas dificuldades para votar a reforma da Previdência na Câmara.

LEIA A CARTA DE DEMISSÃO

Em carta de três páginas enviada ao presidente Michel Temer, Imbassahy disse que foi um grande desafio atuar na função em um período de radicalização pós-impeachment, com uma grande fragmentação partidária, "em meio a enormes dificuldades econômicas e fiscais".

+++ Convenção do PSDB custou R$ 1,5 milhão aos cofres públicos

"Agora precisamos novamente do apoio do Congresso para avançar com a reforma da Previdência, garantindo sustentabilidade ao sistema em benefício das próximas gerações", escreveu o ex-ministro, que reassumirá seu mandato de deputado federal.

Na carta, Imbassahy não menciona o racha do PSDB, que neste sábado elegerá o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para a presidência do partido. Até agora, os tucanos estão divididos e a maioria da bancada não aprova as mudanças propostas por Temer para a aposentadoria.

+++ 'Se Deus quiser, vai acontecer', diz Lu Alckmin sobre candidatura do marido à Presidência

Ao dizer que "novas circunstâncias se impõem no horizonte", o ex-ministro afirma que o PSDB "decidiu apoiar o governo sem contrapartida alguma, além de um compromisso programático".

Na prática, a saída de Imbassahy da equipe dilui o impacto político da convenção do PSDB. "Essa questão do desembarque do governo é página virada", disse o líder da bancada do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP).

O titular das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, será o único tucano que permanecerá no governo. O Estado apurou que a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, também deixará o cargo. Criticado por partidos do Centrão - principalmente pelo PP, que chegou a dar um "ultimato" a Temer -, Imbassahy é o segundo ministro do PSDB que pede demissão. O primeiro foi Bruno Araújo, que comandava o Ministério das Cidades, e em novembro deixou a equipe, sendo substituído por Alexandre Baldy, prestes a se filiar ao PP.

CARTA DE TEMER

Após receber o pedido de demissão de Imbassahy, Temer agradeceu o tucano, a quem chamou de "prezado amigo". Pressionado pela ala governista do PSDB, o presidente chegou a "segurar" o ministro por alguns dias, depois que, em 22 de novembro, houve o "vazamento" da informação de que Marun iria para o seu lugar. A posse do peemedebista na Secretaria de Governo chegou a ser anunciada pelo Twitter oficial do Palácio do Planalto, sem que Temer tivesse conversado com Imbassahy sobre sua saída naquele dia. 

"Os momentos difíceis a que você alude na carta foram enfrentados todos por mim, mas com seu apoio permanente. A sua ponderação, o seu equilíbrio e a sua firmeza foram fundamentais para que não só atravessássemos momentos delicados, mas especialmente porque o Brasil não parou. Eu, o Governo e o País devemos muito a você", afirmou o presidente, nesta sexta-feira, em carta enviada ao agora ex-ministro. No fim da mensagem, Temer disse ter certeza de que, no Parlamento,  Imbassahy "continuará a defender os interesses do Brasil". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.