Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Imbassahy é cotado para assumir 'superpasta' de Governo

Indicação era encarada por líderes da base aliada como forma de diminuir crítica do PSDB ao Planalto, mas foi criticada pelo Centrão

Igor Gadelha, Vera Rosa, Erich Decat e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2016 | 13h22

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer pretende indicar o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), para assumir uma turbinada Secretaria de Governo. O anúncio do tucano para a pasta, reformulada com o ganho de novas atribuições, deveria ocorrer até no máximo a segunda-feira pelo Palácio do Planalto. A troca na Secretaria de Governo foi antecipada pela Coluna do Estadão e em reportagens do Broacast Político e do Estado. Mas a pressão de partidos da base aliada fez Temer desistir do tucano.

Imbassahy substituiria o também baiano Geddel Vieira Lima, amigo de Temer, que pedira demissão há duas semanas após ser acusado pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de ter pressionado para rever uma decisão que embargava um empreendimento imobiliário em que o ex-titular da Secretaria de Governo tinha cargo.

No entanto, lideranças do Centrão - bloco informal de 13 partidos da base aliada liderado por PP, PTB e PSD - já falam em obstruir a votação da admissibilidade da PEC da reforma da Previdência como reação ao nome do tucano. O líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes (GO), por exemplo, chamou a indicação de 'péssima' ideia por acreditar que a chegada do tucano no núcleo duro do governo iria atrapalhar os planos do coletivo pela disputa à presidência da Câmara, em fevereiro de 2017.

A ampliação do espaço do PSDB tinha objetivo de aumentar o protagonismo do partido nas decisões de governo, inclusive com a busca de ações de reanimação para a economia brasileira.

Escopo. Em sua nova configuração, a Pasta vai cuidar, alem da articulação com a base aliada, da interlocução com os Estados, atualmente concentrada no Ministério da Fazenda. Esse desenho pode contemplar, conforme as negociações, debate por questões gerais como renegociação das dívidas, empréstimos de entes federados com o BNDES e assuntos referentes a royalties.

A nova secretaria também deverá assumir a relação direta com movimentos sociais, papel que no governo do PT era realizado pelo ex-ministro Gilberto Carvalho na extinta Secretaria-Geral da Presidência. Nas conversas também ficou acertado que a estrutura do Ministério de Micro e Pequenas Empresas, que foi extinto, será inserida dentro da nova pasta.

A primeira conversa do aumento da participação do PSDB ocorreu no dia da queda de Geddel, quando Temer almoçou com a cúpula do PSDB, inclusive o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Nos últimos dias, as conversas do governo com a cúpula tucana se intensificaram. Imbassahy esteve na quarta-feira, 7, no Planalto e assistiu com Temer e dois governadores tucanos - Beto Richa (PR) e Marconi Perillo (GO) - ao julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que manteve Renan Calheiros (PMDB-AL) na Presidência do Senado. O próprio Renan era um defensor público do aumento da participação do PSDB no governo.

Núcleo duro. O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), trabalhou ativamente, nos últimos dias, para emplacar Imbassahy no cargo. A avaliação da maioria da legenda é de que o líder tucano - ex-prefeito de Salvador e ex-governador da Bahia (maio a dezembro de 1994) - é o primeiro passo para que o partido tenha assento no "núcleo duro" do governo.

Desde que vieram à tona notícias de que os tucanos querem "fritar" o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, porém, criou-se um clima de constrangimento. Temer não gostou das críticas do PSDB, saiu em defesa de Meirelles e disse que mantém toda a confiança no comandante da equipe econômica.

Se fosse confirmado na Secretaria de Governo, Imbassahy seria o quarto ministro do PSDB no governo Temer. O partido já comanda os ministérios das Cidades (Bruno Araújo), da Justiça (Alexandre de Moraes) e das Relações Exteriores (José Serra).

A indicação do parlamentar baiano para a reformulada Secretaria de Governo faria parte da negociação para amarrar o apoio do PSDB à reeleição do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao comando da Casa. Imbassahy era um dos tucanos cotados para disputar a sucessão de Maia e disputa internamente no PSDB da Bahia para ser o candidato do partido ao Senado na chapa DEM/PSDB/PMDB das eleições de 2018.

A intenção trilhada por dirigentes das três legendas é repartir da seguinte forma a chapa eleitoral: Imbassahy ou outro tucano para o Senado; a segunda vaga de senador seria do PMDB, Geddel Vieira Lima ou algum indicado dele; e o postulante ao governo baiano seria o atual prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM).

Mais conteúdo sobre:
Antônio Imbassahy PSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.