Imãs de ressonância magnética podem detectar artérias osbstruídas

Os enormes ímãs da máquina de ressonânciamagnética podem ajudar os médicos a detectar a maior parte dasartérias obstruídas de um paciente. É o que mostra um estudo aser publicado na edição de amanhã, do jornal médico NewEngland Journal of Medicine. De acordo com os resultados da pesquisa, os médicos têm àdisposição um instrumento a mais para identificar rapidamentequais os pacientes que precisam ser operados. A vantagem da ressonância magnética sobre outros exames docoração - como a angiografia - é não ser invasiva. Naangiografia, uma radiografia dos vasos sanguíneos, o pacienteprecisa receber injeção de contraste (um corante). Naressonância magnética, a imagem das artérias é feita semnecessidade de contraste. Segundo o pesquisador Warren Manning, do Centro Médico BethIsrael Deaconess, até 30% das pessoas que fazem angiografia nãoprecisam ser operadas. Nesses casos, a obstrução do vaso écausada por infecção do músculo cardíaco, ingestão de bebidaalcoólica ou outra toxina. "A ressonância magnética é um modode identificar esses pacientes." Manning e sua equipe descobriram que os exames de ressonânciamagnética são precisos em 87% dos casos de análise das artériasobstruídas. Vários centros médicos em todo o mundo participaramdo estudo. A pesquisa envolveu médicos que não sãoespecializados em ressonância magnética do coração. Os exames deressonância foram feitos por uma técnica que permite congelar aimagem do coração que está batendo. O estudo foi financiado emparte por uma empresa fabricante de máquinas de ressonânciamagnética. Mas a ressonância magnética também tem desvantagens quandoaplicada para identificar obstrução de artérias. O exame não écapaz de detectar entupimento em tantos segmentos dos vasos comopermite a angiografia. Resultado: algumas partes das artériasficam sem ser avaliadas. O uso da ressonância magnética não é recomendado parapacientes que tiveram dor no peito durante a prática deatividade física ou outros sintomas que indiquem a necessidadede cirurgia cardíaca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.