Imagem positiva dos EUA cresce no Brasil e chega a 64%

No resto do mundo, 49% consideram boa a influência americana; Irã, Coreia do Norte e Paquistão recebem pior avaliação.

BBC Brasil, BBC

07 de março de 2011 | 07h57

Melhora da imagem dos EUA no Brasil precede visita de Obama ao país

Às vésperas da viagem do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Brasil, uma pesquisa do Serviço Mundial da BBC revela que a opinião dos brasileiros sobre a influência americana no mundo melhorou substancialmente no último ano.

Segundo o levantamento, realizado entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011, 64% dos brasileiros consideram positivo o papel dos Estados Unidos, índice nove pontos percentuais maior do que na pesquisa anterior. Já as avaliações negativas caíram 14 pontos, para 21%.

O aumento nas opiniões favoráveis aos Estados Unidos no Brasil coincide com a melhora da imagem do país mundo afora, ainda que esta tenha ocorrido, em média, em menor grau.

Nos 27 países pesquisados, 49% das pessoas manifestaram visão positiva dos EUA, índice quatro pontos percentuais maior do que o da pesquisa anterior, de 2010. Outros 31% consideram negativa a influência do país.

O levantamento, coordenado pelo instituto de pesquisas GlobeScan e pelo Programa de Atitudes em Política Internacional (PIPA, na sigla em inglês) da Universidade de Maryland (EUA), foi feito com 28.619 pessoas, que opinaram sobre a influência de 16 países e da União Europeia.

'Efeito Obama'

Steven Kull, diretor do PIPA, atribui a melhora na opinião sobre os Estados Unidos à "consolidação do 'efeito Obama'".

Em 2007, quando os EUA eram governados por George W. Bush, 54% dos entrevistados tinham uma opinião negativa sobre o país e apenas 28% expressaram visão positiva. Naquele ano, os EUA ficaram entre os últimos colocados da pesquisa.

Em 2008, ano em que Obama foi eleito presidente, as opiniões começaram a melhorar, com a aprovação alcançando 32%. Hoje, com 49% de avaliações favoráveis, mesmo índice do Brasil, os EUA ocupam uma posição intermediária na tabela.

Disparidade

Segundo a pesquisa, os países onde os Estados Unidos gozam de maior aprovação são as Filipinas (90%), Gana (84%), Nigéria (76%) e Coreia do Sul (74%).

Na Europa, as opiniões sobre os EUA são ligeiramente positivas na Grã-Bretanha (46% de aprovação, ante 43% de reprovação), França (46% a 40%) e Rússia (38% a 31%), mas negativas na Alemanha (37% a 44%).

As visões desfavoráveis sobre a influência americana se concentram em países de maioria muçulmana. Embora a opinião sobre os Estados Unidos tenha melhorado no Egito no ano passado, somente 26% veem o país de forma positiva, ao passo que 50% têm avaliação negativa.

No Paquistão, 16% aprovam a influência do país, enquanto 46% reprovam. Na Turquia, apesar do aumento de 22 pontos percentuais na visão positiva, expressada por 35% dos entrevistados, 49% condenam a atuação americana.

Entre os chineses, 33% aprovam e 53% condenam os Estados Unidos.

As visões negativas sobre país também suplantaram as positivas no México (38% a 23%) e no Canadá (47% a 40%), dois vizinhos do país.

Melhoria geral

Em geral, as opiniões positivas aumentaram em 13 dos 16 países pesquisados. A Alemanha, com 62% de aprovação, manteve a liderança no ranking, seguida por Grã-Bretanha (58%), Canadá (57%), União Europeia (57%) e Japão (57%).

Na outra ponta da tabela, a visão negativa sobre o Irã aumentou três pontos, chegando a 59%; na Coréia do Norte, atingiu 55%, alta de seis pontos; e no Paquistão, subiu 5 pontos, para 56%.

A opinião sobre o Irã piorou especialmente entre países como a Grã-Bretanha (20 pontos percentuais), Canadá (19), Estados Unidos (18) e Austrália (15).

Israel, tradicionalmente um dos países com pior imagem na pesquisa, manteve a avaliação negativa de 49% e apresentou aumento na visão positiva de 19% para 21%.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.