Igreja responde à defesa dos preservativos feita por Lula

O Episcopado brasileiro respondeu neste sábado com duros termos ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que pediu para se deixar de lado a "hipocrisia" sobre o uso de preservativos, dizendo que trata o assunto com "coerência", "valores" e "princípios".Em nota, a Comissão de Vida e Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) afirmou que "a Igreja não concorda com a forma pela qual o presidente da República abordou o problema do uso dos preservativos".Na quarta-feira, no Rio de Janeiro, Lula afirmou que sexo "é uma coisa que quase todo mundo gosta e é uma necessidade", criticando aqueles que se opõem ao uso de preservativos, a quem pediu para deixar de lado a "hipocrisia".Segundo Lula, que se referiu ao assunto na apresentação de uma campanha para frear a disseminação da aids entre as mulheres, "muitas vezes não se debate este tema, ´porque a minha mãe não gosta, o meu pai não gosta, a igreja não gosta, não sei quem não gosta´", pedindo para ser criado um "dia internacional contra a hipocrisia".Segundo o Episcopado, "a posição da Igreja é clara, sempre foi, ela não mudou nem mudará". A nota diz ainda que "o modo de educar os jovens não pode ser permissivo nem incitar um comportamento carente de regras".Esse parágrafo pareceu se referir diretamente a outra frase de Lula, que no mesmo discurso disse que "não há como impor ao adolescente o momento em que fará sexo". Na opinião do Episcopado, os jovens devem ser educados "com bons princípios consistentes".A nota diz que essa é "a primeira orientação" que a Igreja dá às famílias e que, desse modo, "o filho encontra a primeira e mais importante fonte de formação nesses princípios e valores humanos".O texto acrescenta que "quando os pais atuam assim não estão sendo hipócritas", assim como também não o é a Igreja. "Não somos hipócritas, nem o fomos nem o seremos. Somos coerentes", indica a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.