Igreja poderá se engajar no programa de combate à fome

A Igreja Católica poderá, se for convocada, engajar-se de forma mais efetiva nas ações para a erradicação da fome, participando do Programa Fome Zero, adotado pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva. A informação foi dada hoje pelo padre Marcelo Rossi, durante uma rápida entrevista coletiva no Santuário do Terço Bizantino, na zona sul de São Paulo, depois da grande missa ao ar livre que o sacerdote celebrou em homenagem ao Dia de Finados. De acordo com o padre, a Igreja sempre estará do lado dos que se propuserem a combater a fome. "Independentemente de quem seja o presidente, a Igreja deve agora continuar orando para que possamos ter um ano de 2003 melhor. Como vocês podem ter visto durante a missa, essa foi uma das nossas orações", disse o padre.O bispo Dom Fernando Figueiredo, responsável pela Diocese de Santo Amaro e presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) da Regional Sul 1 (Estado e São Paulo), ressaltou que o desejo da Igreja é que não haja mais fome no País.Dom Fernando lembrou que em abril, durante a realização da 40ª Assembléia Geral da CNBB, em Itaici, em São Paulo, a entidade aprovou o Documento Exigências Evangélicas e Éticas de Superação da Miséria e da Fome. O bispo disse ainda que o documento poderá servir de roteiro para o PT traçar as medidas que o Governo Lula poderá adotar para combater a fome no Brasil. A missa, que teve duração de uma hora e meia, começou às 8h30 e reuniu cerca de 120 mil pessoas, segundo estimativas da Polícia Militar, ou 80 mil, pelos cálculos da Guarda Civil Metropolitana (GCM). A cerimônia contou com a participação de diversos artistas, entre os quais Tony Ramos, Joanna, Aguinaldo Rayol, Daniel, Chitãozinho e Xororó. Depois da missa, os cantores fizeram um show.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.