Igreja Católica entra no combate à dengue em São Paulo

A Igreja Católica deve participar do combate ao Aedes aegypti em São Paulo. De acordo com o Comitê Civil de Combate à Dengue, representantes da arquidiocese, que abrange uma área aproximada de nove milhões de habitantes, já solicitaram um texto de esclarecimento sobre o assunto, que deverá ser lido após as celebrações religiosas.O comitê também deve enviar para a Cúria Arquidiocesana cartazes e folhetos sobre a doença, para distribuição em paróquias e centros comunitários. De acordo com informações contidas no site da arquidiocese na Internet, a região eclesiástica dispõe de 615 centros, capelas ou igrejas onde se reúnem os católicos. Também estão em ação na cidade 36 movimentos de apostolado conduzidos por leigos.Para os dirigentes do comitê, a ajuda dessas organizações, com penetração nos mais diversos segmentos sociais, pode representar uma ajuda valiosa no combate à dengue. Os números da doença na cidade permanecem inalterados.São Paulo não divulga dadosNesta terça, a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo não divulgou balanço sobre o número de casos. No entanto, definiu as regras para o concurso de agentes de zoonose, que deverão trabalhar nos programas de prevenção da dengue. As inscrições serão feitas entre 19 e 22 de março. São 800 vagas.Além do concurso, a secretaria espera prorrogar o contrato de emergência de agentes que trabalham no programa. O pedido foi enviado à Câmara e aguarda aprovação.Aumentam os casos no RioNo Rio, em menos de 24 horas foram notificados mais 4.213 casos da doença. Os números foram divulgados dois dias depois de o secretário municipal, Ronaldo Cézar Coelho, ter afirmado que já havia sinais de queda da epidemia na cidade.O número ultrapassa o crescimento das últimas duas semanas, quando foram notificados, em média, 1.500 casos novos por dia pela secretaria. Até ontem, a cidade já acumulava 37.750 registros da doença desde o início do ano. A capital reúne também o maior número de vítimas fatais: 23 mortes confirmadas. No Estado, o último balanço oficial foi divulgado na semana passada e já contabilizava quase 70 mil casos da doença, mas os novos registros desta semana na cidade do Rio devem fazer o total do Estado subir para mais de 80 mil casos.A Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgão do Ministério da Saúde, informou que 90 dos 92 municípios do Estado participaram do Dia D. Nesses municípios, foram vistoriados 3.187 prédios abandonados e houve o recolhimento de 5 mil toneladas de lixo.A Secretaria Estadual da Saúde confirmou nesta terça-feira o primeiro caso de dengue hemorrágica em Alagoas. A vítima é uma mulher de 23 anos, moradora no bairro do Pontal da Barra, na zona sul de Maceió.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.